Miami atrai super ricos globais

Foi lançado nos últimos dias o relatório Miami Report 2015, organizado pela firma de marketing imobiliário ISG World. Esse estudo anual analisa tendências do mercado imobiliário e da evolução urbana e econômica na região de Miami, sendo que neste ano passou a abranger também Fort Lauderdale, uma das regiões metropolitanas que mais cresce nos Estados Unidos.

Miami atrai um grande número de visitantes e compradores de imóveis afluentes, e no último ano alcançou o posto número 6 entre as cidades mais visadas pelos super ricos (dados da consultoria inglesa Knight Franks). Esses dados são significativos, considerando-se que em 2011, Miami aparecia só no posto 29. Isso reflete a vertiginosa transformação pela qual Miami vem passando, desde a crise financeira de 2009.

Que razões levam os super ricos a se estabelecerem em Miami e fazer a cidade saltar no ranking de forma tão meteórica? De acordo com o estudo, os principais motivos são atividade econômica, qualidade de vida, influência e força política. Mas apesar de atrair um grande número de super ricos, os preços das propriedades de luxo em Miami ainda estão muito abaixo dos preços em outras grandes metrópoles internacionais como Nova York, Londres, Paris e Beijing.

De acordo com o relatório, o valor das propriedades nos bairros da região central de Miami mais próxima do mar, subiram quase 11% nos últimos 18 meses. Com relação ao preço dos aluguéis, nesta mesma região houve um aumento médio de cerca de 41% nos últimos 5 anos, sendo que atualmente só 3% das propriedades se encontram desocupadas.

Entre os fatores puxando essas altas, o estudo menciona o crescimento populacional tanto dos Estados Unidos, que chegou a 321 milhões de habitantes esse ano, quanto do Estado da Flórida, que recentemente rompeu a marca dos 20 milhões de habitantes, se tornando o terceiro Estado mais populoso do país, depois de Califórnia e do Texas, e pulando à frente de Nova York. O interesse de investidores internacionais também ajudou; a Flórida se tornou o estado com o maior número de investidores estrangeiros, à frente da Califórnia e do Texas.

O Aeroporto Internacional de Miami tem tido um papel importante no sentido de turbinar o fluxo de estrangeiros para a região, e já é o aeroporto com o segundo maior tráfego de passageiros internacionais do país, perdendo só para o JFK de Nova York. Juntos, os aeroportos de Miami e Fort Lauderdale atraíram quase 75 milhões de passageiros no ano passado.

O relatório menciona ainda uma serie de eventos e atividades que continuarão a atrair contingentes de pessoas e influenciar o crescimento econômico e populacional de Miami, como por exemplo, a expansão do Canal do Panamá; o megaevento de tecnologia eMerge Americas; o desenvolvimento do trem de alta velocidade All Aboard Florida, que conectará Miami com Orlando; o renascimento cultural com a inauguração de novos museus e a presença da já tradicional Art Basel; e até a chegada do novo time profissional de futebol, cujo dono é ninguém menos que a estrela internacional David Beckham.

Tudo isso mostra que a revolução metropolitana de Miami tem fundamentos sólidos e se encontra em plena ebulição. E indica um futuro promissor pela frente.